Cifra Club

Da Era do Amor Virtual

Makalister Renton

Aún no tenemos el cifrado de esta canción.

As lojas se fecham, os bares se abrem, os pares se partem
Ocupam suas noites com tablets
O calor é mobile
No labor, só de bala

E o que mata mais?
O açúcar da bala, a bala na água ou o Cigarro de Bali?
É terça-feira, mas me trajo de baile
Se a treta é infantil, tô fora do parque

Tiro a trava da carne e a deixo trêmula
Fora da cúpula
É a farra das células quando encerras o cel
Sofro de insônia, De Niro em Táxi

De fome igual Bobby Sands no cárcere
Que o delírio me arte em meus atos falhos que deixei pra mais tarde
Pra me lembrar que sou só o Makalister e não o MacGyver

Da era do amor virtual
Fizeram do amor ritual
Da era do amor virtual
Fizeram do amor ritual

Onde os dogmas laçam e os androides se abraçam
Castos e cultos
Tudo é hologrado, inorgânico, mudo
Onde os tolos se abraçam

Castos e cultos
Tudo é hologrado, inorgânico

Pedaços da era do amor virtual no fim que tudo unifica
Jorrando a tinta antes que a bússola imprima
A bula indica e te mata nas curvas das letras miúdas
A lupa desvenda, mas o calor gerado mata as formigas

Teu existir não é trocado por milhas
Apenas um gráfico: Única mídia!
Mais 10 anos na firma e o uniforme tá cheirando a rotina
E o Mascherano te esperando na esquina

Primeira e única vinda
Rodeado de drogas
No trabalho, na escola e família
Te colocaram numa fila de cócoras

Fora do navio pra Bogotá
Não vais mais embora
Corpos em volta de um barril de pólvora
No abismo do catre

Os despenhadeiros da dor
Desaba em travesseiros
E o que não pecas no lar, tua filha peca em dobro na rua
E a vida dela vale o dobro da tua

Da era do amor virtual
Fizeram do amor ritual
Da era do amor virtual
Fizeram do amor ritual

Onde os dogmas laçam e os androides se abraçam
Castos e cultos
Tudo é hologrado, inorgânico, mudo
Onde os tolos se abraçam

Castos e cultos
Tudo é hologrado, inorgânico

60 dias de chuva
Garoa fina, média e bruta
Em São José tem o barulho de turbal
Que transborda essas poças que não são poucas

Inúmeras bocas resmungam o mesmo nas portas das lojas
60 dias de chuva
Garoa fina, febre das bruxas
Ilha mágica, jovens boçais

É o meio que jogo-me à margem
Um corte frontal a cada vez que paro se no espelho, travo
"És só um jovem mortal! "
De graça eu nasci velho e imoral

Algumas horas em frente à tela de LED no hall
Pensando: no ponto exato, Fred no hell
Veste no Halloween os panos do Pôncio Pilatos
E manda esses merdas pro céu!
Roupas não secam no varal de arame

Se não arejas o cômodo é o carnaval das aranhas
Entrar no amar sem o remo não há saldo de bem
Mas sados hão de querer
Há coisas que não devias desver

Compositor não encontrado.
Colaboración y revisión:
  • Denielton Rodrigues

0 comentarios

Ver todos los comentarios
00:00 / 00:00
Outros vídeos desta música
Repetir Calidad Automático
Outros vídeos desta música
00:00 / 00:00
Automático
OK